Que prensa industrial escolher?

As prensas industriais são utilizadas em fábricas para conformar ou montar peças através da aplicação de pressão. Este guia de compra apresenta os principais tipos de prensas usados na indústria, a sua utilização e os critérios a ter em conta para se escolher a prensa mais adequada a um dado processo.
As prensas dobradeiras, ou quinadoras, consistem em máquinas usadas especificamente para a dobragem de chapas metálicas e são objeto de um guia à parte.

Prensas: ver produtos

  • Como escolher uma prensa?

    Prensa da marca DIMECO

    Para escolher a prensa certa, primeiro há que ter em conta o tipo de operação para que será utilizada:

    Também é necessário ter uma ideia bastante precisa das dimensões das peças após conformação ou, no caso do puncionamento e da rebitagem, das dimensões das peças a manipular, em particular para poder escolher corretamente as dimensões da mesa de trabalho e a abertura máxima da prensa.

    Em seguida, deverá estimar a força de prensagem máxima necessária ao uso previsto. Esta dependerá do material da peça, da espessura desta e das características da operação a efetuar (por exemplo, a profundidade de estampagem ou o perímetro de corte). A força de prensagem (ou tonelagem) é normalmente indicada em quilonewtons (kN) e pode variar entre 5 kN (0,51 toneladas) e 500 000 kN (50 000 toneladas), consoante os modelos de prensas.

    Há, igualmente, que levar em conta o tipo de produção que se pretende realizar com a prensa e que pode ser unitária, de pequenas ou de grandes séries. Para um uso pontual ou para pequenas séries, poderá optar uma prensa manual, mecânica ou hidráulica, ou por uma prensa elétrica, portátil ou não. Se visar a produção em série, é essencial saber se as peças deverão ser submetidas a uma operação única ou a uma sucessão de operações de conformação diferentes. Neste último caso, poderá recorrer a uma prensa transfer, que executa as várias operações de forma totalmente automática.

    Os diferentes critérios acima mencionados vão permitir‑lhe escolher a tecnologia mais adequada às suas instalações: hidráulica, mecânica ou pneumática.

    Critérios de escolha de uma prensa:

    • função
    • dimensões das peças
    • força de prensagem
    • capacidade de produção
  • Quando optar por uma prensa mecânica?

    Prensa mecânica da marca EMG

    Existem diferentes tipos de prensas mecânicas. As mais simples são as prensas de oficina, que podem ser de cremalheira e pinhão ou de alavanca, utilizadas para realizar operações breves e pontuais, como o puncionamento.

    As prensas mecânicas oferecem altas velocidades de trabalho, permitindo a produção de grandes séries. No entanto, possuem poucos parâmetros ajustáveis, o que as torna menos versáteis do que as prensas hidráulicas. As prensas mecânicas exigem habitualmente a intervenção de um operador para realizar tarefas de apoio às operações de prensagem propriamente ditas. Por conseguinte, é essencial equipar este tipo de máquinas com dispositivos de segurança, tais como interruptores acionados por pedal, barreiras fotoelétricas, etc.

    As prensas mecânicas são geralmente máquinas de alta precisão e repetibilidade garantida. Por outro lado, o seu curso é limitado. Como tal, é importante assegurar‑se de que a abertura máxima da prensa é adequada às dimensões das peças a trabalhar e das peças finais.

    Características das prensas mecânicas:

    • alta velocidade
    • produção de grandes séries
    • elevada precisão
    • repetibilidade do processo
    • pouca versatilidade
  • Quando optar por uma prensa hidráulica?

    Prensa hidráulica da marca DUNKES

    As prensas hidráulicas são capazes de comprimir todos os tipos de materiais. De um modo geral, são mais compactas do que as prensas mecânicas de força equivalente. Exigem muita manutenção mas, se esta for devidamente efetuada, as avarias são raras e relativamente fáceis de reparar.

    Em geral, as prensas hidráulicas apresentam velocidades de trabalho mais baixas do que as prensas mecânicas, sendo sobretudo indicadas para produção de pequenas séries. São particularmente adequadas à estampagem profunda, embora possam ser utilizadas para outras aplicações. As prensas hidráulicas são bastante versáteis não só porque é possível controlar a força aplicada e o curso, que são variáveis, mas também porque têm capacidade para longos cursos.

    Produzem menos ruído do que as prensas mecânicas de força equivalente. Por outro lado, não garantem uma repetibilidade tão consistente.

    Uma vantagem importante das prensas hidráulicas é que permitem aplicar a força máxima ao longo de todo o curso. Tal significa que, para processos que exijam a aplicação de uma força considerável logo no início da operação, não será preciso adquirir uma prensa de tonelagem superior.

    Com uma prensa hidráulica, é fácil ajustar a velocidade de trabalho e controlar a pressão exercida pela ferramenta sobre a peça. De notar que estas prensas possuem uma válvula que evita eventuais sobrecargas de pressão.

    Características das prensas hidráulicas:

    • grande versatilidade
    • compressão de todo o tipo de materiais
    • produção de pequenas séries
    • estampagem profunda
    • manutenção considerável
  • Quando optar por uma prensa pneumática?

    Prensa pneumática da marca SOMAUT

    As prensas pneumáticas podem operar a velocidades elevadas. São também muito versáteis e fáceis de utilizar. Destinam‑se principalmente a operações que necessitem de baixas forças de pressão, para a produção de pequenas séries. São, por exemplo, muito utilizadas em laboratórios e oficinas.

    As prensas pneumáticas são particularmente adequadas para operações de marcação, prensagem de terminais e rebitagem. São, geralmente, mais baratas do que as prensas mecânicas e hidráulicas, mas têm de ser ligadas a um circuito de ar comprimido que lhes forneça pressão e caudal suficientes.

  • Como dimensionar uma prensa?

    Prensa da marca SCHULER

    Para dimensionar corretamente uma prensa, deve estimar a força de prensagem necessária à aplicação, bem como as dimensões da mesa e o tamanho da abertura da prensa de que vai precisar.

    • A força de prensagem é calculada em função do material e da espessura das peças a trabalhar, mas também da forma e das dimensões da ferramenta da prensa.
    • As dimensões da mesa irão depender das dimensões máximas das peças que serão submetidas à ação da prensa.
    • Para escolher o tamanho da abertura da prensa, deverá ter em conta a profundidade de estampagem e a altura necessária para retirar da prensa a peça já conformada.

    A velocidade de trabalho é também um fator importante, sobretudo se a prensa se destinar à produção em série.

  • Quais os outros critérios de escolha de uma prensa?

    Prensa tipo C da marca KNUTH

    Prensa tipo C da marca KNUTH

    Um dos critérios a ter em conta na escolha de uma prensa industrial é a sua estrutura. As prensas podem ser classificadas de acordo com o seu tipo de estrutura: monobloco ou tipo C (também ditas de colo de cisne).

    As prensas monobloco têm uma estrutura mais rígida, o que significa que resistem melhor a flexões laterais. É, pois, a configuração mais encontrada em prensas de maior capacidade em termos de força. As mais comuns são as prensas com 2 ou 4 colunas, que limitam as deformações do chassi. Aliás, quanto maior o número de colunas, mais rígida será a estrutura da prensa e, logo, maior a sua precisão.

    Já as prensas com estrutura tipo C possuem menor capacidade de força máxima, mas têm a vantagem de ser menos volumosas. Estas prensas, também ditas prensas de colo de cisne, permitem manusear mais facilmente as peças, uma vez que são abertas não só na frente mas também nos lados. Contudo, normalmente requerem a intervenção de um operador para colocar e retirar as peças da prensa.

    A prensa de alavanca representa uma boa opção para operações que só requeiram máxima pressão no fim do curso, como o puncionamento e a rebitagem. Estas prensas são fáceis de ajustar, permitem a troca rápida de ferramentas e, em simultâneo, reduzem a força que o operador tem de empregar.

    Também terá de decidir se precisa de uma prensa de duplo efeito para a estampagem profunda ou se uma prensa de efeito simples bastará para o uso previsto. Se pretender realizar trabalhos de conformação, poderá optar por uma prensa a quente, por exemplo equipada com placas de aquecimento, ou por uma prensa a frio.

Guias relacionados
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Ainda não há comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será visível. Os campos de preenchimento obrigatório estão assinalados com *