Como escolher uma placa-mãe

A placa-mãe é um dos principais componentes de um computador, pois assegura a comunicação entre os demais componentes, como o processador e o disco rígido. É também conhecida como motherboard e mainboard. Trata‑se de uma grande placa de circuito impresso com conectores e slots onde são ligados os vários componentes e dispositivos.

Placas-mãe: ver produtos

  • Quais os diferentes tipos de conexões de uma placa-mãe?

    A placa-mãe possui diversos tipos de slots e conectores, por vezes também denominados portas. A presença de algumas destas conexões varia segundo os modelos.

    • Portas seriais (COM1, COM2, COM3, COM4): estão a ser substituídas por portas USB.
    • Porta paralela (LPT1, PRN): encontra-se em placas-mãe mais antigas e é utilizada para conectar a impressora.
    • Portas USB (Universal Serial Bus): destinam‑se a conectar os periféricos do computador, como o teclado, o mouse e a impressora.
    • Portas PS/2 (Personal System/2 ou mini-DIN): são utilizadas para o teclado e o mouse, mas estão a ser substituídas pelas portas USB.
    • Porta HDMI: serve para ligar o computador a uma televisão ou a um monitor e pode transmitir sinais de 8k.
    • DisplayPort: transmite a imagem do computador para um monitor. Surgiu em 2006 e deverá vir a substituir a porta HDMI.
    • Porta óptica S/PDIF: permite descodificar os formatos digitais.
    • Porta RJ45 (Ethernet): liga o computador a uma rede local ou a um roteador.
    • Porta IEEE 1394 (FireWire): é similar ao USB; o controlador de host é gerido de forma cooperativa pelos dispositivos conectados.
    • Portas M.2 e U.2: destinam-se a ligar discos NVMe. Surgiram em 2013 e permitem a utilização de discos SSD com velocidades até 3.500 MB/s.
    • Slots PCI: permitem conectar placas de expansão à placa-mãe. É neste tipo de slots que é instalada a placa de vídeo.
    • Portas SATA (Serial ATA): são utilizadas para ligar à placa-mãe qualquer periférico compatível, como um disco rígido ou um leitor de DVD.
  • Quais os formatos das placas-mãe?

    Os formatos das placas-mãe são também conhecidos como fatores de forma. Dizem respeito às dimensões físicas da placa-mãe e à posição dos furos para parafusar a placa no gabinete.

    Existem diferentes padrões:

    Formato ATX (Advanced Technology Extended): continua a ser o formato mais comum. Criado pela Intel em 1995, o formato ATX incorpora diversas portas e 7 slots de expansão. 

    As placas-mãe ATX estão disponíveis em diferentes tamanhos:

    • Mini ATX, com 6 slots de expansão;
    • Micro ATX, mais pequena, com menos conectores;
    • ATX Flex, ainda mais pequena.

    Estas placas-mãe só podem ser instaladas em gabinetes ATX.

     

    Placa-mãe ATX da Advantech

    Placa-mãe ATX da Advantech

    Formato BTX (Balanced Technology Extended): surgiu em 2004 e deveria substituir o formato ATX, mas este último continua a ser muito comum ainda hoje.

    Tem a vantagem de oferecer uma melhor organização dos componentes dentro do gabinete, que favorece a circulação de ar e, por conseguinte, reduz o ruído e a temperatura interna, mesmo com um só cooler.

     

    Há formatos que deixaram de ser fabricados, mas que ainda se encontram em computadores mais antigos, como os formatos AT, AT Baby, LPX ou NTX.

  • O que é o soquete da placa-mãe?

    O soquete, ou socket, é um encaixe quadrado onde é instalado o processador (CPU), que é o cérebro do computador. Todas as placas-mãe têm um soquete. Esta conexão permite ao processador comunicar com os outros componentes essenciais do computador, como a memória RAM e a placa de vídeo (GPU), e com os periféricos. Geralmente, o soquete da placa-mãe é fêmea e o do processador é macho, ou seja, este possui pinos.

    Cada família de processadores tem um soquete específico. Por isso, deverá certificar‑se de que a placa-mãe e o processador são compatíveis. De notar que algumas placas-mãe têm o processador soldado.

  • O que é o chipset da placa-mãe?

    O chipset, composto por chips e circuitos eletrônicos, é responsável pela comunicação entre o processador e a placa gráfica, dispositivos de armazenamento (como o SSD) e quaisquer periféricos conectados à placa-mãe (como placas de expansão e dispositivos USB). O chipset faz a gestão dos barramentos e pode ligar-se a mais pistas PCIe do que o processador.

    Cada família de processadores é compatível com uma família de chipsets, e cada família de chipsets oferece funcionalidades diferentes.

    Deixamos aqui alguns exemplos de famílias de chipsets:

    Chipset Intel

    • Gama alta: Z000 (Exemplo: Z490)
    • Gama média: B000 (Exemplo: B460)
    • Gama baixa: H000 (Exemplo: H410)

    Chipset AMD

    • Gama alta: X000 (Exemplo: X570)
    • Gama média: B000 (Exemplo: B450)
    • Gama baixa: A000 (Exemplo: A520)
  • O que são os barramentos da placa-mãe?

    Os barramentos são utilizados para conectar componentes e periféricos à placa-mãe. Existem barramentos internos e barramentos externos.

    Barramentos internos: também conhecidos como barramentos de dados, ligam os componentes internos do computador (processador e memória) à placa-mãe. São também denominados barramentos locais.

    Podem ser conectados à Ponte Norte ou Sul do chipset: 

    • Ponte Norte: ligam os componentes rápidos, como a memória e a placa gráfica;
    • Ponte Sul: ligam os componentes mais lentos.

    Barramentos externos: conectam o computador a periféricos externos, como uma impressora, um disco rígido ou um scanner. Os conectores USB e eSATA são exemplos de barramentos externos.

  • O que é a BIOS?

    A BIOS (Basic Input/Output System) é o programa responsável por gerir a placa-mãe. Quando se liga o computador, a BIOS é inicializada e realiza diversas operações essenciais (reconhecimento de um pendrive conectado à placa-mãe, ordem de inicialização dos discos, quantidade de RAM instalada, etc.). É por meio desse software que se pode selecionar os diferentes parâmetros de comunicação dos componentes, como a frequência da memória RAM, por exemplo. 

    Em resumo, a BIOS é responsável pelo controle da placa-mãe. Contudo, devido às suas vulnerabilidades, está a ser substituída nos novos computadores pela UEFI (Unified Extensible Firmware Interface).

  • Quais os possíveis problemas de compatibilidade e como evitá‑los?

    Ao escolher uma placa-mãe, é indispensável assegurar‑se de que opta por um modelo compatível com os componentes do seu computador. Deixamos aqui algumas dicas sobre como evitar possíveis incompatibilidades:

    Gabinete: a placa-mãe deve ter o mesmo formato do gabinete. Por exemplo, uma placa‑mãe de formato ATX só é compatível com um gabinete ATX. Além disso, as dimensões do gabinete também devem ser compatíveis com as dos dispositivos internos. Por exemplo, as dimensões das novas placas de vídeo não são compatíveis com todos os gabinetes.

    Soquete: a carta-mãe tem de ter o mesmo tipo de soquete que o processador. Por exemplo, uma placa-mãe com soquete Intel LGA1150 só é compatível com um processador Intel LGA1150.

    Frequência da memória RAM: terá de ser compatível com o processador e a placa-mãe.

    Fonte de alimentação: certifique‑se de que a potência é suficiente para alimentar todos os componentes.  

    Velocidade das portas:  não coloca problemas de compatibilidade, mas pode limitar a velocidade de transferência.

GUIAS RELACIONADOS
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...
Ainda não há comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será visível. Os campos de preenchimento obrigatório estão assinalados com *